Hoje, 28 de junho, é um marco de luta para a população LGBTQIA+. Nessa data, em 1969, aconteceu a Rebelião de Stonewall, manifestações de membros da comunidade contra uma invasão da polícia de Nova York no bar Stonewall Inn. Esta luta, como tantas outras, começou com grande massa de mulheres lésbicas e travestis, quase todas negras e latinas. Sylvia Rivera, Marsha P Johnson, Storme DeLarverie são as principais referências históricas nessa militância. Muito já se avançou de lá para cá, mas o mundo ainda mata e violenta este público, lamentavelmente.

Atualmente, o Brasil está ente os países que mais matam pessoas LGBTQIA+ no mundo e o cenário piora ainda mais sob um governo fascista e lgbtfóbico.

De acordo com o relatório “Observatório das Mortes Violentas de LGBTI+ No Brasil – 2020”, publicado nos site Brasil de Fato (https://www.brasildefato.com.br/2021/05/17/dia-internacional-contra-a-lgbtfobia-mortes-foram-subnotificadas-no-ultimo-ano), realizado pelo Grupo Gay da Bahia e pela Acontece Arte e Política LGBTQIA+, de Florianópolis, pelo menos 237 pessoas morreram por conta da violência LGBTfóbica no ano passado. Sendo que 224 foram homicídios (94,5%) e 13 suicídios (5,5%).

Essa questão se passa pela discussão. Isso é educação. Por isso, meninas e meninos LGBTQIA+ devem ser acolhidos em nossas unidades escolares com todo afeto e compreensão para que a diversidade seja cada vez mais respeitada e importante para uma sociedade mais nutrida de amor.
Discrimine o preconceito! Respeite todas as pessoas! #DiadoOrgulhoLGBT #28dejunho #Stonewall
#educacao

Open chat