No próximo sábado, dia 19 de junho é Dia Nacional de Luta pelo Fora Bolsonaro e da mesma forma que em 29 de maio ocuparemos as ruas com os devidos cuidados utilizando máscaras, álcool em gel e o devido afastamento por conta da pandemia.
O Brasil dos últimos meses nos deu poucas oportunidades de vivenciar aquela boa sensação de ter uma surpresa positiva na política nacional. Um desses raros momentos aconteceu no último sábado de maio, o 29M, quando vimos as maiores manifestações de rua contra o governo federal desde o movimento em defesa da educação pública, em 2019.
Ocupar as ruas mesmo durante a pandemia se tornou uma necessidade para parar a matança provocada pelo governo genocida, responsável direto pelas quase 500 mil mortes provocadas pelo novo coronavírus.
As vacinas seguem a passos lentos e o ainda presidente segue com sua política da morte vetando das Portarias criadas em função da pandemia até a obrigatoriedade do uso de máscaras.
A pandemia segue como o elemento central da conjuntura e, tragicamente, o caminho para o colapso do sistema de saúde ainda está muito mais próximo que o da superação da crise sanitária. Em 142 dias de campanha de vacinação, atingimos a marca de 11% da população imunizada e, se continuarmos nesse ritmo, sabe-se lá quando chegaremos a 70%, o limiar da imunidade coletiva de acordo com a maioria da comunidade científica internacional.
No dia 29 de maio dezenas de milhares ocuparam as ruas em todas as regiões do país exigindo FORA BOLSONARO, por vacina já e para todos, pela volta do auxílio emergencial de no mínimo R$600,00, em defesa dos empregos, salários e direitos.
E nesse 19 de junho vamos fortalecer a convocação para mais esse dia em que a classe trabalhadora, a juventude junto às suas Organizações mostrarão que a indignação se transformou em movimento.
No dia 18 de junho as Centrais Sindicais farão mobilizações nos locais de trabalho com paralisações, assembleias e panfletagens nos terminais de ônibus e metrô, essas atividades têm por objetivo fortalecer o conjunto de mobilizações pelo impeachment de Bolsonaro, pois é preciso parar esse governo para parar a matança.
O Capital através de suas grandes corporações e multinacionais tem se aproveitado da tragédia que já matou quase meio milhão de pessoas no Brasil para intensificar seu ataque à classe trabalhadora com demissões, mais arrocho salarial e mais desrespeito aos direitos. Se utilizam das Medidas Provisórias que reduzem salários e suspendem contratos de trabalho e mesmo assim continuam a demitir.
Bolsonaro como um capacho da burguesia não só impôs essas medidas que atacam empregos e direitos, como avança em seu objetivo de destruir os serviços públicos com sua reforma administrativa e as privatizações.
VAMOS FORTALECER A LUTA POR:
– VACINAÇÃO JÁ E PARA TODOS
– RETORNO DO AUXÍLIO EMERGENCIAL DE NO MÍNIMO R$600,00
– EM DEFESA DO SUS
– CONTRA AS PRIVATIZAÇÕES
– NENHUM DIRETO A MENOS: CONTRA AS MP’S QUE REDUZEM SALÁRIOS, SUSPENDEM CONTRATOS DE TRABALHO E ATACAM DIREITOS
– ESTABILIDADE NO EMPREGO
– FORA BOLSONARO

Open chat